Main content

Contributors:

Date created: | Last Updated:

: DOI | ARK

Creating DOI. Please wait...

Create DOI

Category: Project

Description: 1. Introdução No Brasil, a população autodeclarada negra, caracterizada pelo somatório de pretos, pretas, pardos e pardas, representa a maioria da população brasileira. No entanto, ao longo do tempo, reiteradamente acumula os piores indicadores de condições de vida/doença/morte,1-3 reeditados nos números referentes à pandemia COVID-19, no recrudescimento da fome e na extrema pobreza. Estudos e análises na perspectiva étnico-racial, e mais, relacionando-a com condições sociodemográficas, escolaridade, renda/trabalho, moradia, estilo de vida, grupos específicos de populações originárias, territórios, hábitos, costumes e valores, crenças religiosas, doenças mais prevalentes, acesso à saúde, entre outros, são fundamentais para a busca da Equidade e o pleno exercício da Democracia, porque viabilizam ações, normativas e estratégias no combate às abissais iniquidades existentes no país, especialmente em saúde4. Essa é a marca da Política Nacional de Saúde Integral da População Negra (PNSIPN)5. A produção de conhecimento científico sobre saúde da população negra almeja aprimorar a PNSIPN, superar o racismo e denunciar as violações de direitos à saúde e à vida.5 A Agenda de Prioridades de Pesquisa do Ministério da Saúde se apresenta como forte indutora de pesquisa translacional para o SUS, uma vez que como um importante instrumento norteador de pesquisa, ela identifica e propõe a busca de soluções para os principais problemas encontrados no SUS. No entanto, Correia e cols (2019)6 concluíram que a pesquisa translacional precisa se consolidar mais no Brasil, já que pode trazer grandes contribuições, dada maior aproximação entre o conhecimento gerado e sua aplicação para o indivíduo ou sociedade. Passados 16 anos do primeiro edital, a translação do conhecimento sobre a saúde da população negra segundo a matriz inerente à PNSIPN, precisa ser sistematizada. A pesquisa bibliométrica é um método avaliativo valioso para identificar as tendências da produção do conhecimento ao longo do tempo. 2. Método Será realizada uma revisão de escopo rápida para mapear a produção científica brasileira sobre a saúde da população negra. O referencial metodológico para o desenvolvimento da revisão será o manual do Joanna Briggs Institute 7. 2.1 Pergunta(s) de pesquisa Qual é o perfil temático e de colaboração acadêmica da produção científica em saúde pública no Brasil sobre a saúde da população negra? A pergunta de pesquisa teve como ponto de partida o acrônimo PCC: P - População: população negra. C - Conceito: produção científica brasileira. C- Contexto: saúde pública. 2.2 Critérios de inclusão e exclusão Serão considerados estudos primários, secundários e relatos de experiência publicados em inglês, português ou espanhol, que abordem a saúde da população negra no Brasil, do ponto de vista da saúde pública. Não haverá restrição quanto à data da publicação. Serão excluídos estudos que não foram conduzidos no Brasil, que não apresentam perfil da produção científica em saúde pública com a população negra, publicados em outros veículos que não periódicos científicos, e em idiomas diferentes dos citados acima. 2.3 Estratégias de busca As estratégias de busca serão desenvolvidas com base na combinação de palavras-chave, estruturada a partir do acrônimo PCC, usando os termos MeSH no PubMed, DeCS na LILACS. Serão buscados estudos utilizando os descritores: “Grupos Étnicos”; “Grupos com Ancestrais do Continente Africano”; “Saúde”; “Saúde Pública”; “Política Pública”; “Equidade.” 2.4 Seleção das fontes de evidências A seleção dos artigos será realizada com base nos critérios de inclusão e exclusão definidos. Após a exclusão de duplicatas, o processo de triagem será realizado por dois revisores, de forma independente, com base na leitura de títulos e resumos, utilizando o gerenciador bibliográfico Rayyan QCRI8 e as divergências de julgamento serão resolvidas por consenso. 2.5 Extração de dados Para a extração de dados será criada uma planilha no software Excel, com as seguintes informações: autor, co-autoria, instituição, mês e ano de publicação, apoio financeiro, revista em que foi publicado, delineamento do estudo, localidade, contexto (atenção primária, hospitalar), temática em saúde pública, área de concentração (saúde coletiva, interdisciplinar, enfermagem, sociologia, psicologia, medicina, nutrição, etc.). As extrações serão realizadas por três revisores. 2.6 Análise das evidências e apresentação dos resultados Os dados serão analisados por meio de bibliometria 9 (Hayashi, 2013). Os resultados serão apresentados de forma descritiva, e por meio de tabelas, imagens e gráficos que expressem os resultados de modo mais adequado. Não será realizada avaliação da qualidade metodológica dos estudos selecionados, uma vez que não é relevante para os resultados de uma revisão de escopo. O relato dos resultados seguirá a orientação da ferramenta PRISMA Extension for Scoping Reviews 10 (Tricco et al., 2018). 3. Referências 1 - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Síntese de Indicadores Sociais : uma análise das condições de vida da população brasileira : 2020 / IBGE, Coordenação de População e Indicadores Sociais. - Rio de Janeiro : IBGE, 2020. 148 p. : il. - (Estudos e Pesquisas. Informação Demográfica e Socioeconômica, ISSN 1516-3296 ; n. 43) 2 - Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) - Cerqueira, Daniel Atlas da Violência 2021 / Daniel Cerqueira et al., — São Paulo: FBSP, 2021. 3 - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Desigualdades sociais por cor ou raça no Brasil. 2019 4 - Santos MPAD, Nery JS, Goes EF, Silva AD, Santos ABSD, Batista LE & Araújo E. População negra e Covid-19: reflexões sobre racismo e saúde. Estudos Avançados, 2020; 34: 225-244. 5 - Silva DT & Silva, SP. IPEA. Nota técnica - 2020 - Novembro - Número 46 - Diest. Trabalho, População Negra e Pandemia: Notas Sobre os Primeiros Resultados da PNAD Covid-19 6 - Correia CVDSR, Rezende KS, Rosa SDSRF, Barreto JOM & Felipe MSS. Pesquisa translacional no Brasil: temas de pesquisa e sua aderência à Agenda do SUS. Saúde em Debate, 2020; 43(Spec 2); P: 75-86. 7 - Tricco A, Lillie E, Zarin W, O’Brien KK, Colquhoun H, Levac D et al. PRISMA Extension for Scoping Reviews (PRISMA-ScR): Checklist and Explanation. Ann Intern Med. 2018;169(7):467-73. 8 - Hayashi, C. Apontamentos sobre a coleta de dados em estudos bibliométricos e cientométricos. Filosofia e Educação (Online). 2013; 5 (2). Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rfe/article/view/8635396/3189 9 - Peters MDJ, Godfrey C, McInerney P, Soares CB, Khalil H, Parker D. Scoping reviews. In: Aromataris E, Munn Z, eds. Joanna Briggs Institute Reviewer's Manual. Adelaide, Australia: Joanna Briggs Inst, 2017. 10 - Ouzzani M, Hammady H, Fedorowicz Z, Elmagarmid A. Rayyan—a web and mobile app for systematic reviews. Syst Rev. [Internet] 2016 [acesso em: 18 jan. 2021];5(1):210. Disponível em: http://systematicreviewsjournal.biomedcentral.com/articles/10.1186/s13643-016-

Files

Loading files...

Citation

Recent Activity

Loading logs...